Adriana Bolis

Adriana Bolis

Adriana Bolis

Psicologia CRP 12/14.792 CRP 12/14.792

Visitar site

Adriana Bolis é psicóloga, pela UFSC, e integra o Núcleo Junguiano de Florianópolis. Atua como psicoterapeuta de orientação junguiana e sustenta como valor indispensável em sua prática clínica o comprometimento integral com os processos de seus pacientes.  Saiba mais sobre a Adriana.

Formação

Sua história profissional iniciou-se muito antes do conflito pela escolha da profissão, aos 14 anos, quando, através de programas como o Menor Aprendiz, começou a seguir os passos de seu pai na área comercial. Apesar de sempre sonhar com atividades de cuidado e educação, por influência cultural, optou por fazer sua primeira formação na área administrativa, em sua cidade natal, Erechim, no interior do Rio Grande do Sul.

Mudou-se aos 22 anos para Florianópolis, onde rapidamente assumiu posições de liderança em sua área, mas não menos veloz fez-se ouvir a voz de sua alma: alguma coisa dentro de si indicava que aquele aparente sucesso estava lhe custando um preço alto. Foi quando mergulhou profundo numa crise profissional onde descobriu que estava vivendo de uma forma muito artificial, com uma persona bem formada, mas com a alma silenciada. Esta crise a levou de volta aos sonhos da infância, à exploração de recursos interiores e à busca por uma expressão mais autêntica: foi aí que resolveu tornar-se psicóloga, na busca de compreender sua própria experiência e a dinâmica do sofrimento humano.

Formou-se então em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) aos 29 anos.

Encantada com o ponto de vista de Carl G. Jung desde há muito tempo, tornou-se membro do Núcleo Junguiano de Florianópolis em 2014, mesmo antes de graduar-se, e atualmente prepara-se, através de estudos e supervisões clínicas, para iniciar a formação como analista junguiana.

Valores

“A arte requer o homem inteiro” dizia Jung, recordando essa antiga verdade alquímica. Adriana sustenta como valor indispensável em sua prática clínica o comprometimento integral com os processos de seus pacientes, o que implica manter seu próprio processo de autoconhecimento e individuação sempre em pauta, ancorado no estudo constante, na formação continuada, na ampliação dos conhecimentos e experiências culturais e também no seu próprio processo psicoterapêutico.
Cultiva também valores como:
● respeito à diversidade humana em suas expressões, tanto culturais, como afetivas e pessoais, por exemplo: o ritmo de cada um, linguagem, tipologia psicológica, fase da vida...
● ética e sigilo como a base de uma relação de confiança
● o trabalho em equipe como ampliação da atenção em saúde em seus diversos níveis e como aprimoramento do fazer terapêutico pelo encontro com a diferença

Práticas e técnicas

A psicoterapia de base junguiana utiliza como principal referencial teórico-prático a Psicologia Analítica de Carl Gustav Jung, a qual busca compreender o ser humano em sua individualidade, mas também como um ser sociocultural e principalmente histórico. Jung afirmava que a psique, tal como o corpo biológico, possui uma pré-história, que está evidenciada nos mitos e ritos de distintas culturas do mundo, que tanto tem a nos ensinar sobre essa camada do inconsciente que todos nós compartilhamos - o inconsciente coletivo, morada dos arquétipos que influenciam a vida humana.
Busca-se na prática clínica identificar quais os conflitos (normais ou geradores de sofrimento) que são tipicamente humanos, compartilhados portanto por toda a humanidade, e como o indivíduo pode lidar coletiva e individualmente com estes conflitos; e ainda, quais os conflitos pessoais, que vão demandar, portanto, uma elaboração da história pessoal para serem integrados à consciência.
Através principalmente da expressão verbal, mas utilizando também de outros recursos terapêuticos (análise de sonhos, técnicas expressivas, contação de histórias, caixa de areia/ Sandplay…), busca-se juntos, terapeuta e paciente, ampliar a consciência acerca de si mesmo e da humanidade a fim de que o indivíduo possa expressar-se de forma mais autêntica.

Falar pelo WhatsApp