Como escolher uma terapia complementar com segurança e credibilidade

Todo mundo conhece alguém que experimentou uma terapia complementar e está encantado com os resultados. Outros, no entanto, desfrutam da mesma prática e ficam indiferentes. Yoga, meditação, homeopatia, aromaterapia, entre outras técnicas, podem, de fato, ser muito benéficas à saúde. Porém, o que as tornam tão essenciais para uns e irrelevantes para outros é a indicação.

Ouça este conteúdo:

 

Neste artigo, vamos mostrar como essas terapêuticas têm ganhado credibilidade ao longo dos anos, bem como seu papel em tratamentos multidisciplinares. Além disso, entenda porque seu médico é a única pessoa capaz de ajudá-lo a escolher, de maneira segura, a que melhor se adequa às suas necessidades.

Independentemente do seu quadro de saúde, quem sabe não é isso que está faltando para você conquistar o tão desejado bem-estar? Não perca mais tempo e aproveite a leitura!

O que é terapia complementar?

Terapia complementar é um tipo de prática que visa prevenir ou ajudar no tratamento de doenças ou condições adversas de saúde. São técnicas reconhecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), baseadas em conhecimentos tradicionais usados de forma integrada à medicina convencional, mas não a substituindo.

Para surtir efeito, as especialidades devem ser indicadas por profissionais da área médica, conforme a necessidade de cada paciente. No Brasil, são reconhecidas 29 práticas integrativas e complementares (TIC) – que também são promovidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) – são elas:

  • apiterapia;
  • aromaterapia;
  • arteterapia;
  • ayurveda;
  • biodança;
  • bioenergética;
  • constelação familiar;
  • cromoterapia;
  • dança circular;
  • geoterapia;
  • hipnoterapia;
  • homeopatia;
  • imposição de mãos;
  • medicina antroposófica
  • medicina tradicional chinesa/acupuntura
  • meditação;
  • musicoterapia;
  • naturopatia;
  • osteopatia;
  • ozonioterapia;
  • plantas medicinais/fitoterapia;
  • quiropraxia;
  • reflexoterapia;
  • reiki;
  • shantala;
  • terapia comunitária integrativa;
  • terapia de florais;
  • termalismo social/crenoterapia;
  • yoga.

Já entre os serviços particulares, as possibilidades são ainda mais vastas. A terapia neural, por exemplo, não existe na rede pública.

Como a terapia complementar é vista pela medicina ocidental?

Dados comprovam a aceitação, cada vez maior, da terapia complementar na medicina ocidental — inclusive na rede pública. Um levantamento realizado no município de Blumenau (SC) avaliou o perfil de prescrição e credibilidade no uso de fitoterápicos e plantas medicinais pelas equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF), por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

O resultado mostrou que a maioria dos médicos, enfermeiros e dentistas (96,2%) crê no efeito dessas terapias. Dentre eles, 98,7% se dizem dispostos a sugeri-las (após passarem por uma capacitação na área).

Por todo o país, nota-se um crescimento das práticas complementares, tanto em sessões individuais quanto em atividades coletivas. Constatou-se um aumento de 46% em atividades como yoga e tai chi chuan, por exemplo.

Quais são as diretrizes das terapias complementares?

As terapias complementares podem ser empregadas desde a medicina preventiva a tratamentos de alta complexidade. Entre suas diretrizes, merecem destaque:

  • a realização por profissionais especializados, constantemente atualizados;
  • o uso de medicamentos (homeopáticos e fitoterápicos) em concordância com as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa);
  • a avaliação permanente da eficiência, eficácia, efetividade e segurança dos procedimentos.

Como podem ajudar nos tratamentos multidisciplinares?

Um tratamento multidisciplinar é conduzido por uma equipe de diversos especialistas que, juntos, buscam a melhor solução para um determinado quadro de saúde — sempre considerando que corpo, mente e emoções funcionam de maneira integrada.

Uma terapia complementar, quando bem indicada, pode ajudar a devolver o bem-estar ao paciente. Diversos estudos mostram o impacto positivo desse tipo de prática no tratamento de doenças. Por exemplo:

Contar com a orientação de um médico funcional é a melhor maneira de aderir a uma terapia complementar segura e, realmente, eficiente. Afinal, a escolha da prática depende do diagnóstico individual. Somente um especialista que conhece seu histórico (de doenças, sintomas, medicamentos e até estilo de vida) profundamente sabe qual terapêutica pode ajudar. E, também, apenas ele é capaz de avaliar se a estratégia está surtindo a melhoria desejada.

Na Aqua Vitae, prezamos pela prescrição de terapias complementares quando necessárias. Para saber mais, conheça nossas especialidades!

Escrito por:
Dra. Andrea Baumgarten
CRM 19.466 | RQE 14.022

Formada em medicina pela UFSC, é especialista em clínica médica, pelo Hospital Regional de São José, e concluiu sua formação em Medicina Funcional, pelo The Institute for Functional Medicine. Seu interesse é focado na atenção integral, no uso racional das medicações e no tratamento compartilhado entre paciente e médico. Saiba mais sobre a Dra. Andrea.